Memória religiosa e recordação a respeito de Frida Vingren como espaços de tensões no pentecostalismo brasileiro

Osiel Carvalho

Resumo


O presente ensaio quer discutir as implicações da memória no pentecostalismo brasileiro. Faremos isso a partir das ressignificações do passado referente aos fundadores das Assembleias de Deus, em especial Frida Vingren. A memória é uma construção social marcada por pontos de referência histórico-sociais. Para nossa análise seguiremos os teóricos da memória Halbwachs e Assmann.  A memória religiosa esta relacionada com a tradição, ou seja, tem a função de preservar e reproduzir as tradições religiosas de determinado grupo.


Palavras-chave


memória religiosa; recordação; Frida; pentecostalismo; tradição.

Texto completo:

PDF (Português)


DOI: http://dx.doi.org/10.22351/nepp.v33i0.1096

Direitos autorais

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional

 ISSN 1678-6408


Rua Amadeo Rossi, 467
Morro do Espelho - São Leopoldo - RS - Brasil
CEP 93.030-220 - Tel.: +55 51 2111 1400