O desenvolvimento da autonomia coletiva em empreendimentos de economia solidária: o estudo de dois casos considerados modelo no Brasil e Espanha

Thales Speroni Pereira da Cruz

Resumo


O presente estudo problematiza o desenvolvimento da autonomia coletiva em empreendimentos de econômica solidária. Entende-se que este processo é composto por duas dimensões dialeticamente relacionadas: a das práticas, que se refere à forma como o empreendimento organiza seu cotidiano por meio de procedimentos e normas, e a da experiência, noção que alude à forma como os sujeitos vivem as relações sociais em que estão inseridos e que pode servir de parâmetro para ações futuras. Esta pesquisa busca responder o seguinte problema: em que medida os empreendimentos de economia solidária constituem práticas autônomas que levem à constituição de uma nova relação do trabalhador com seu trabalho? A fim de responder este problema, realizaram-se dois estudos de caso: um em uma cooperativa de confecção de Porto Alegre (Brasil) e outro em uma cooperativa de serviços sociais de Bilbao (Espanha).

 


Palavras-chave


Autogestão; Economia solidária; Autonomia coletiva; Cooperativismo; Experiência

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22351/nepp.v23i0.62

Direitos autorais

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional

 ISSN 1678-6408


Rua Amadeo Rossi, 467
Morro do Espelho - São Leopoldo - RS - Brasil
CEP 93.030-220 - Tel.: +55 51 2111 1400